crawl on me*

21 maio, 2010

Mário, 11h09, Aeroporto, Ponte Área SP/RJ.

curioso o modo como você pensa e age quando está comigo. digo isso porque desconfio que exista uma outra versão que desconheço. enquanto você tomava banho, eu via a cidade ali embaixo. suja, cinza. você diz que aqui é o seu lugar e eu te digo que você só fala isso porque não conhece metade do mundo.

“- Quem disse que eu preciso conhecer o mundo inteiro pra ter certeza que SP é o meu lugar?”

às vezes eu acho que você combina com meus personagens, você está pronta pra ir pro papel, pro palco. caras e bocas enquanto eu te como, caras e bocas enquanto durmo. certa vez eu li que a gente pode sentir a presença de alguém mesmo dormindo. e eu sinto a sua, me olhando, pegando no pau, beijando meu peito. fica tudo misturado, a lembrança parece um sonho que parece realidade.
que realidade é essa que você divide comigo?

meu pior defeito faz com que eu ache pouco só essa Cibele.
eu quero todas elas, uma por dia, só pra mim.

(*coincidências acontecem mesmo, guria. Spin spin sugar, lembra?)

carta de Cibele

19 maio, 2010

eu tinha esquecido dele, eu tinha esquecido do Mário. ele surgiu no meio do caminho, no meio da nossa história, da minha e da sua. não adianta chegar com piada pronta, porque ele não me pegou atrás do armário, ele me fudeu. e enquanto você ligava e eu não atendia, lá estava ele me fudendo na mesma cama que você deita comigo.

a diferença é que quando ele me come eu fico mais vazia.